quinta-feira, 6 de outubro de 2016

GERMANUS



Germanus

Há uma agonia que me trespassa a carne os nervos e a brancura plana dos ossos. Contudo, não sinto na pele dor alguma -, apenas um travo amargo na garganta e a certeza de que a resposta da dor será imensa. Não existe um linimento, tisana, unguento ou o que quer seja que possa curar a enfermidade d'alma quando carregamos a verdade do tempo presa às nossas costas. O que é a Vontade de Deus? Como podemos compreender o quê, a nós foi designado como herança neste plano físico? Esta compreensão em determinados momentos, me parece tão distante da minha condição humana e mesmo renovada a minha crença nesta Fonte Sapiencial a qual denominamos Deus, ainda assim, eu pressinto a dor e agonia acercando-se a mim. A minha solidão é eterna. A minha solidão resiste e se sustenta e segue mutilando toda certeza que eu depositei em meus passos no decorrer dos anos. Ao descobrir o meu maior adversário o meu próprio sangue, o que está oculto em mim - o meu próprio gene -, não tive como evitar a hora mais escura entre o dia e a noite. E agora, ouvindo a inspiração que emana do silêncio, eu aceito e me curvo diante deste vazio que murmura no imo da alma clamando perdão. Há um coração dentro do meu peito, há um sopro que o mantém pulsante de vida e todo um processo de crenças distorcidas, valores invertidos contribuindo de forma a aumentar minha tristeza. Contudo, as sucessivas idas e vindas e busca do entendimento do perdão e do perdoar, mantem a certeza maior ( o sangue)  salvaguardando a minha paz e a minha estrutura psicológica, não me fazendo um ser limitado ainda que eu caminhe na solidão.



Nenhum comentário:

Postar um comentário