sábado, 30 de abril de 2016

TODAS AS CANÇÕES




Todas as Canções 
A vida é o solfejar da chuva no coração das aves,  nos veios da Terra, no desabrochar das flores, na calmaria das águas, no sal do mar, no segredo das conchas, nos rastros na areia.  É a mão do anjo desenhando o arco íris, é a boca e o beijo, é o braço e o abraço, é a mão e o aceno, é a saudade, é o choro na partida e o sorriso no regresso. É o sonho onde eu te sonho e o despertar no qual eu te espero. A vida é a música da manhã acordando os seus olhos dentro do meu olhar. É o seu riso a fazer eco nos corredores onde a minha alma brinca com a sua. A vida é  a melodia de todas as músicas e a regência da sua mão, me ensinando a cantar e revelando o segredo das lendas guardadas em pergaminhos. É o calor do seu sol na minha pele de lua, é a sua essência que transpõe a distância e te faz dentro de mim nos versos da canção que você, aos meus ouvidos __canta! A Vida é você e o seu riso é a música que norteia o meu viver.


para Odur

sexta-feira, 29 de abril de 2016

SONHOS


Sonhos 
 
Uma das coisas mais incríveis que já me aconteceu , foi um sonho repetido varias vezes durante uma fase ruim na minha vida. Não um sonho corriqueiro, mas um sonho com muitos signos e que sempre me deixava angustiada ao acordar. Por mais que houvesse da minha parte a busca pelo entendimento daqueles signos, me faltava conhecimentos para tal, então eu passava dias tomada por uma melancolia que era perfeitamente observada nos meus olhos. Este é o meu sonho: Eu caminhava apressada por uma rua deserta, era perto do fim da tarde e o céu estava numa cor entre o azul e o violeta. Olhava para os meus pés e eles estavam calçados com uma sandália de salto alto, o que dificultava a rapidez dos passos. Vez ou outra eu volta a cabeça olhando para trás e sabia que estava sendo seguida, só não conseguia ver que me seguia. O pânico tomava conta de mim, minha respiração ficando cada vez mais ofegante e o coração acelerado era sinal do medo diante do perigo iminente. Tudo era muito rápido, mas eu via claramente as janelas sendo fechadas quando eu passava. Procurei a igreja e a enorme porta estava sendo fechada, eu bati violentamente e a porta não foi aberta. Então comecei a correr em direção a uma ponte e comecei a correr por ela, mas ao chegar ao meio da mesma, olhei e percebi que ela não era mais de concreto e sim uma ponte pênsil, de madeira toda carcomida e que balançava muito conforme eu andava. Olhei para os meus pés, estavam calçados com uma sandália simples, de couro em cor natural e sem muitos detalhes. Percebi que a minha roupa também não era a mesma de antes. Eu estava com uma saia longa de tecido escuro, achei estranho, mas continuei correndo tomando cuidado para não cair, eu segurava na lateral da ponte, uma corda muito grossa, áspera e cheia de nós.
Então, alguém chama pelo meu nome e eu olho pra trás e me assusto com o que eu vejo (mas nunca me recordo quem é a pessoa) , entro em desespero e começo a correr e acabo caindo antes de sair da ponte ( sinto muito medo) e então - surge  outra pessoa que estende as mãos - aquelas mãos se abrem à minha frente e eu agarro a elas, me levanto e saímos correndo de mãos dadas. Eram mãos de um homem. Delicadas, magras, dedos finos mas, mãos de um homem. Ao sair da ponte pênsil, eu vejo que tudo é diferente; as casas, as ruas, as pessoas. Mas ele não para e me leva para um lugar que mais parece uma caverna,  me segura pelo braço e me dá de beber numa caneca, uma bebida doce, mas com um travo amargo no final. Me manda sentar num pequeno banco, senta-se à minha frente, eu olho para os meus pés e a sandália de couro e percebo que ele usa uma sandália parecida com a minha e os pés dele estão próximos aos meus, fico olhando os seus pés e penso - são bonitos!Ele toca na minha mão e diz: "Sonhos tem muito de realidade e você vai entender tudo na hora certa"-, falando isso, ele coloca na minha mão um livro bastante velho e escuro, eu consigo ler o que está escrito na capa do livro A Origem dos Sonhos e a Verdade do Homem. Vou abrir o livro e não consigo, então eu levanto os olhos e o homem não está mais ali - eu estou sozinha com o livro nas mãos. Acordo a seguir. Anos mais tarde alguém me manda ler um livro sobre sonhos...



segunda-feira, 25 de abril de 2016

FINALIZANDO


Finalizando

...hoje quando acordei, tudo por aqui estava envolto em neblina. Mas com o sol, o céu se derrama em partículas de ouro em pó...
Misteriosamente uma cigarra (imaginaria) começou a cantar, grudada ali, na veneziana do meu quarto. O canto da cigarra me transporta para um outro lugar - um recanto escondido na minha memória - chamado "infância". E o mesmo acontece com o cantar do bando anus,  seguindo os bois pelo pasto e dos bem te vis pousados no ramo mais alto da "touceira" de bambus, onde eu, me balançando fugia do mundo. E as frutas! Sempre as frutas - jacas, pitangas, melão de São João, Maria preta, seriguela, gabiroba e outras, mas estas, em especial, fazem parte dos sabores da minha memória.Tudo ali, reunido ao santificado sabor do doce de leite, de goiaba e marmelo, de mamão verde e o cheiro do queijo assando na chapa do fogão à lenha. Aqueles dias podem ser tão longos quanto a eternidade, mas o que eu sabia sobre a eternidade?! E quando o vento soprava forte, anunciando a chuva, eu subia no galho mais alto da minha goiabeira de frutos brancos e me balançava - imaginando voar; e voava mesmo! Voava nas asas dos gaviões e das corujas buraqueiras e depois pousava no lombo de algum boi solitário e pedido em seus pensamentos 'mascando' uma touceira de capim manteiga. Quando vinha chuva lá do céu, molhando aquela terra e escorrendo pelos veios dos barrancos, expondo as raízes da velha e frondosa Ceboleira, eu me punha a navegar em barcos feitos de papel... E quando a tarde ia morrendo - os bois 'rezavam' num mugido triste e rouco e tudo ficava mais lento e mais lento até o sol se deitar por detrás dos meus olhos e dormir o mundo dentro dos meus sonhos.



domingo, 24 de abril de 2016

ALICE E O AVIÃO

Alice e o Avião

Vasculhando a linha do Tempo, Alice percebe que está nua-, a nudez do corpo contrasta com a nudez da alma. Se lembra que alguém lhe falou sobre ela viver numa solidão sem fim, mas como sabe que  o seu próximo momento já esta sendo 'caramelizado' pra ficar igual bala de coco. Alice agora olha pela janela enquanto toma uma cerveja pra comemorar a descoberta de todas as suas verdades - absolutas verdades. Nesse instante, um carro passa, uma ave noturna voa , um avião corta o céu feito um vaga-lume de aço, acendendo e apagando - e um pensamento lhe vem à cabeça: "Se você estivesse aqui, eu não estaria só". Ah, o avião tem luzes azuis e vermelhas; e o avião engoliu pessoas e sonhos e arrotou a solidão de muitos - até mesmo a solidão de Alice, que olha o céu e seu olhar não se adianta mais que uns poucos metros______está tão escuro lá fora, mas ela ainda pode colorir os seus sonhos antes que o mundo acabe.



foto:LL

sexta-feira, 22 de abril de 2016

IMORTAL


Imortal


Não haverá noite, nem amanhãs...

Somente o ser
pisando no barro e
cuspindo no sonho que lhe sobe pelas encostas,
conduzindo estrelas e as dores curtidas
nesta argamassa que lhe reveste os ossos.

A boca que segreda esquinas
lambe
as feridas cruas,
e agora – um silencio de pedra
no assoalho das catacumbas...

O medo
onde a lua veleja na lembrança e
surge solitária e densa
por detrás das araucárias – gênese sob a cruz!

E o calvário do olhar pentassílabo 
padece 
enquanto navego este céu viandante da noitidão da alma 
que me fecha as asas
calando os malefícios e soluços
dos nobres.

Recitando o Salmo e incorporando
o renascer do mundo
caminho descalça pelo átrio
desta quimérica Babilônia.


foto: Lu Genovez


segunda-feira, 18 de abril de 2016

DIVINDADE INTERIOR


Divindade Interior

O verbo abre-se na rosa e as andanças pelo mundo em busca de uma sociedade tolerante e livre de dogmas, já não se faz necessária. A casa do silêncio é tomada por cores e sons emitidos pela consciência cósmica, cuja força desencadeia o conhecimento adormecido nas câmaras da alma humana.
Alfa e Omêga, a matéria, o espírito e a possibilidade de abrir ao homem, o mundo não perceptível  e a restauração  da harmonia entre a criação e o criador. A divindade trabalha dentro de si mesma e a rosa é o fogo que não queima - mas ilumina o olhar que deseja enxergar além das linhas que desenham figuras em paredes nuas. O silêncio é na casa, o silêncio é a casa.



imagem: google

sábado, 16 de abril de 2016

A PRIMEIRA VOCÊ NUNCA ESQUECE



A Primeira Você Nunca Esquece

"Uma manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto". Kafka


Abro a caixa.

Argh! Lá esta ela.

Com seus olhos compostos – nada mais nada menos que 2000 lentes, enquanto nossos olhos humanos, apenas duas!Percebo que ela me olha, antenada e lustrosa limpando das patas dianteiras os farelos da última refeição – migalhas do meu biscoito favorito. Imediatamente penso: “Devia ter levado o lixo para fora!”, mas de onde surgiu este representante pré-histórico blindado – Elo Pedido?!Não sei o que fazer. Ela continua quieta apenas olhando, talvez até sorrindo com sua boca sem dentes, mas capaz de mastigar tudo que encontra e que tenha cheiro de comida. 


Movo meus braços. 
Ela se move! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
Volto!Ela se move!Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...

Talvez essa barata tenha assistido algum filme de Bang-Bang dos anos 70 - do tipo: O Biscoito Furado, Uma Barata Chamada Cavalo, Doze Baratas e Um Destino porque eu me senti diante de um inimigo pronta para um duelo ao por do sol!...

Calamity Lucy and the Cockroach!

Cadê minha “Doze”?! Tem que ser uma “doze” e de cano serrado. O tiro tem que ser fatal! Matar elefante no Kenya é moleza. Agora mata uma barata, mata! Numa única chinelada.Não tem quem acerte! Parece que a maldita usa Óxido Nitroso e tem tantos cavalos-motor que nem o Alonso pode alcançá-la quando resolve sair em disparada vindo sempre ao encontro dos nossos pés...

Quem já sentiu os pezinhos cabeludos de uma barata subindo pelas pernas?! É igual Du Loren – você nunca esquece!!Resolvi sorrir para ela, já que não podia fazer mímica nem sinais de fumaça – “Mim Pokahontas, você Barata, amiga?!”

Não deu resultado!

Melhor incorporar The Flash e tampar a caixa...Foi o que eu fiz e gastei um rolo de fita crepe [larga] para isolar qualquer saída. Ela que se FD!Coloquei a caixa na lixeira, esfreguei as mãos e sorri...



TEREZINHA CAI CAI



Terezinha Cai Cai

Tudo era só calmaria no bairro Ibirapuera, até que ela veio morar com a irmã, casada com um jogador de futebol do Atlético Clube de Paranavaí, que moravam em frente à minha casa. Pronto, acabou a monotonia das tardes modorrentas da minha infância. Ela era diferente das mulheres que eu conhecia, tinha um "sei lá o quê"  - , que deixava a mulherada com inveja ou ciúmes, e os homens, ah, estes ficavam babando e com aquela cara de peixe morto fingindo nem saber que ela trocava de roupa com a janela aberta. Até a minha mãe, que era um poço de ciúme, rezou um sermão pro meu pai, embora até onde se saiba, ele não saia da linha, mas a minha mãe fez uma pequena observação: "Pode estar chovendo canivete, mas se a Terezinha estiver na rua, deixa que se molhe, entendeu ou quer que eu desenhe?!" -,  e meu pai nem piscava os olhos verdes e nunca mais ficou de bobeira no jardim de casa, pra não correr o risco de ficar sem os mesmos! E eu, só olhando e percebendo que ela, Terezinha,  era diferente, isso ela era. Até dona Lair, do professor Laércio, ficou anuviada depois que Terezinha veio morar no bairro, e, olha que dona Lair era  lindona. Hoje eu sei qual a diferença entre as duas.Dona Lair era o tipo de mulher clássica, bonita, elegante, olhos verdes, sempre vestida com discrição, mas a Terezinha - ah, essa era diferente. Tinha uma cintura fina  marcada por um cinto e uma 'bundona' gigante salientada pelo vestido sempre justo. Seu Gonçalo era o cunhado, jogador do Atlético e toda vez que ele saia de casa para ir ao clube treinar, Terezinha se arrumava toda - horas a fio pra lá e pra cá na frente da janela mudando de roupa até acertar na escolha. Quando, enfim, decidia pela cor e modelo, ela partia pra maquiagem - quilos de pó de arroz e um batom vermelho pra combinar com as unhas, depois era um sapato de salto alto e uma bolsa. Ah, ia me esquecendo do cabelo -, era sempre um penteado desfiado, avolumando no alto da cabeça e uma franja jogada para o lado e tudo coberto de laquê. Ela dava uma última olhada no espelho, depois pegava a bolsa e ganhava a rua - na época, a então Avenida Rio Grande do Norte não era asfaltada. Era um areião lascado no sentido da casa dela, e o um barranco cheiro de mato entre as duas pistas, mas isso não era empecilho pra Terezinha. Ela saia pisando leve, só com a ponta dos pés pra não afundar no areião e fazia questão de passar bem na frente da serralheria do seo Luiz Casado, fazendo a alegria dos empregados que só faltavam saltar a bulica dos olhos e ela nada, nem olhava pro lado.
Na quadra seguinte, já sem o problema da areia solta, ela podia caminhar com segurança, o que facilitava o rebolado da bundona gigante. Ia toda faceira, passava pela frente da loja de peças Auto Motor e a mesma coisa acontecia - era só 'fiu fiu' que se ouvia e ela nada, nem olhava pro lado. Andava mais duas quadras e passava pelo ponto de Taxi e toma 'fiu fiu'. Então ela deixava a Avenida Paraná e seguia pela Manoel Ribas esquina com a Souza Naves, onde tinha um bar, cujo nome, eu não me lembro, mas que na época era o reduto dos fazendeiros da cidade e região para acertar a venda de bois. Um pouco antes, ela dava uma paradinha, abria a bolsa e pegava um espelhinho de mão, dava uma olhada básica, retocava o baton e aplicava umas gostas a mais do perfume Classic Charisma -, segundo ela, sua marca registrada. Com tudo pronto,  ela saia rebolando e com a cara mais seria deste mundo  chegava em  frente ao bar e era acometida por uma tontura repentina, cambaleava procurando apoio e finalmente caia na calçada. A homaiada de plantão, já com os ânimos elevados pelas cervejas, saia em disparada pra socorrer a bunduda e era só mãozada pra lá e pra e ela nada de acordar do desmaio. Descaradamente ela abria as pernas e ficava toda mole e toma mãozada nas coxas e tudo era feito na maior discrição, afinal estavam acudindo uma 'senhorita' já um pouco passada na idade, mas ainda uma senhorita indefesa. O dono do bar, que já sabia das coisas, mandava trazer a moça pra dentro do estabelecimento e trazia uma garrafa de vinagre pra passar nos pulsos e fazê-la cheirar - era um santo remédio, ela acordava na hora. Nesse momento, um dos socorristas se oferecia para leva-la até a sua casa, coisa que ela recusava dizendo já estar bem, mas diante da insistência , acabava aceitando e saia do bar amparada, entrando no carro do 'escolhido' que  desaparecia avenida abaixo deixando os outros com cara de tacho. Horas mais tarde, quase na boca da noite, um carro parava na esquina antes da casa do seo Gonçalo e Terezinha descia bem faceirinha e pisando mole, atravessava o areião indo pra casa. Foi assim por uns dois anos até que o passe do seo Gonçalo foi vendido para outro time e tiveram que mudar de cidade. Muito ainda se falou de Terezinha Cai Cai...



quinta-feira, 14 de abril de 2016

A CASINHA É MINHA!



A Casinha é Minha!
 

Era sempre assim que tudo terminava: "A casinha é minha!"-, e o pau comia. Isso nas tardes quentes de 1967 em Paranavaí, eu, Bete, Roseli, Lurdinha, Rosane e Nanai brincávamos de 'casinha' no quintal da minha casa. Nós estudávamos no Grupo Escolar Três Marias num horário muito favorável, das 11h às 14 h, portanto, o fervo começava assim que o uniforme era trocado por um shortinho, uma camiseta e um tênis Conga com biqueira de borracha branca. Eu sempre usava camiseta com estampa de um dos anões da Branca de Neve e o tênis era sempre vermelho.O quintal da minha casa mais parecia o Sitio do Pica Pau Amarelo, tinha muitas árvores - goiabeiras, cajueiro, mangueiras e a mais importante de todas - o abacateiro! E isso sem falar nas flores que a minha irmã plantava em todo lugar, até mesmo na horta que Suzana teimava em manter organizada e protegida dos meus cachorros , galinhas, patos, coelhos, porquinhos da índia e de um ou noutro leitãozinho rejeitado pela mãe e trazido para mim, lá da fazenda e tratado na mamadeira, pra depois eu fazer o maior berreiro quando o meu pai resolvia leva-lo de volta. Aquilo era o paraíso para as nossas aventuras. Mas o que nós mais gostávamos, era de juntar as panelinhas e fazer comidinha usando as verduras da horta. Tudo corria as mil maravilhas, até que por qualquer razão ainda desconhecida, eu armava uma briga, sempre com a Roseli. Era sagrado - todo dia pra finalizar a coisa, eu encrencava com ela. Como a 'casinha' era no meu quintal, é claro que eu tinha que ser a 'mamãe', senão, eu não brincava e pronto. Elas já sabendo da regra, aceitavam. Nós tínhamos a mesma idade, variando apenas no tamanho e eu era a mais alta e isso sempre fez a diferença. Pois bem, lá pelas tantas, eu já de saco cheio da brincadeira de comidinhas e bonecas, armava de colocar a filhas de castigo e a Roseli sempre reclamava. Era a deixa que eu precisava pra ir até o pessegueiro, quebrar um galho fino e mandar ver nas pernas dela. Era só grito e choro e a mãe dela aparecia na janela e gritava chamando pelos filhos: Roseli, Rosane e Roberto, já pra casa! A irmã e o irmão dela, eram menores e portanto brincavam em outro quintal com as crianças menores, irmãos da Bete e da Márcia - eu era a caçula na minha família. Bom, a brincadeira acabava sempre do mesmo jeito - Roseli indo pra casa passando pelo vão da cerca de balaústres, com a boca aberta chorando e com as pernas marcadas pelas varadas. Márcia, Lurdinha, Nanai e a Bete saiam de fininho já sabendo que a minha mãe ia pedir pra Suzana ou pra minha irmã, trazer a cinta, porque na cabeça dela, eu tinha que levar uma surra também - isso pra ela não ficar mal com a vizinha. E o pau comia solto até o dia que eu descobri que era melhor eu fugir antes da minha mãe chamar a Suzana ou a minha irmã. Dito e feito - subi no abacateiro feito um gato e lá de cima, só olhando as coisas. Minha mãe ficou furiosa. Tentou me fazer descer sob ameaças e eu nadica de nada, só olhando. Então, ela mandou a Suzana trazer um bambu que era usado pra levantar o varal e tentou me cutucar pra eu descer. Nada feito, eu subi mais alto e como ela era baixinha, não pode fazer nada. Mas o destino estava contra, pois na brincadeira, eu tinha tinha tirado o tênis pra não sujar o tapete da casinha e na fuga, não deu tempo pra calçar, portanto eu estava descalça me equilibrando nos galhos mais altos do abacateiro. Minha mãe desistiu do bambu, mas não largou a cinta e pra meu desespero e dor nos pés, mandou trazer uma cadeira e sentou, olhou pra cima e falou: Vamos ver quanto tempo você vai aguentar ai em cima, porque eu tenho o resto do dia pra esperar. As minhas amigas, já de banho tomado saíram para os respectivos quintais junto com as mães e ficaram assistindo a minha tortura: se eu descesse ia apanhar e ficando lá em cima, os meus pés estavam doendo. Minha mãe, de boa sentada batendo papo com a mãe da Roseli e da Bete, só esperando - de vez em quando dava uma olhada pra cima pra ver com eu estava. Eu, fingindo que não sentia nada, mudava o pé no galho a cada cinco minutos, mas resisti bravamente até as 18h, quando finalmente o meu pai chegou. Minha mãe relatou o acontecido e meu pai mandou trazer outra cadeira e sentou junto com ela e pra meu desespero, ele mostrou o embrulho que tinha na mão - os meus doces! Putz! Todos os dias ele passava na Confeitaria Suga e trazia bomba de chocolate, papos de anjo e banana kasutera, meus doces prediletos! Eu não acreditei quando ele abriu o pacote e serviu os "meus doces" pra Roseli, Bete e os demais observadores da desgraça alheia, inclusive minha mãe, minha irmã e a Suzana comeram os doces. Depois disso, ele falou: Desce! E eu desci até onde aguentei e ele me pegou no colo e me levou pra dentro de casa - dai, longe de todos eu abri o berreiro porque os pés estavam doendo e eu não tinha os doces.Meu pai rezou um sermão de meia hora, mandou eu tomar banho, o que eu fiz - sentada, por conta da dor nos pézinhos. Depois, fomos até a Confeitaria Suga comer uns mil e quinhentos doces - rsrsrsrsrs - e no outro dia, Roseli apanhou de novo, mas não foi com galho de pessegueiro, mas com uma vara de pesca! E o tempo passou entre brigas e choros, até eu vir embora pra Curitiba e nunca mais vi a Roseli. Com as outras amigas mantenho contato até hoje...


segunda-feira, 11 de abril de 2016

ALICE E O ESPELHO


Alice e o Espelho

"O meu sucesso! A minha glória!" Ah, Alice e os devaneios... Tão aloprada que nem percebe o cigarro queimando entre os dedos - Alice menina, correndo desembestada pelo caminho dos bois no pasto, mais parece um bicho selvagem - abre os braços e corre com o vento - quer voar alto, acima das nuvens, quer subir com uma lufada de vento, mas o vento que traz o  cheiro de bosta das vacas. Alice fecha os olhos e da risadas - ela é feliz em seu estado natural. Mal sabe ela, que o mundo dá voltas e as coisas mudam da noite para o dia. As mãos não seguram o vento e nem a boca sorve toda água da chuva. Um dia, a noite chega mais cedo e a lua fica no céu junto com o sol, então Alice abre a sua caixa de Pandora e deixa que saiam todos os seus segredos, todos os  seus anseios - e assim, olhando  os seus guardados voarem feito borboletas, ela não se dá conta do Tempo. Já não é mais menina, já não pode correr com o vento e nem pegar a cauda do cometa. O Tempo passou e  Alice pariu um filho e não sentiu as dores, as rasgaduras, os suores - só ouviu o choro e alimentou a boca e agasalhou de amor - Alice sorriu olhando o filho. Depois dela cantar cantigas de ninar, a noite não foi embora, encalhou, fez o sol adoecer e cair de cama. A noite era feita de veludo e não cedeu lugar para estrelas e nem a lua apareceu - era só negrume e silêncio. Nem o vento com cheiro de bosta das vacas, nem o canto dos quero-queros, nem os grilos, nem as cigarras - era a solidão, a sua companheira. O cometa passou, Alice olhou o céu na esperança de ver o rabo do cometa e desejou segurá-la bem forte e viajar a imensidão - Halley foi embora e ela não.
Hermeto fez uma música nova, alguém foi à lua mais uma vez, fizeram uma passeata pelas "diretas já", pintaram o bondinho da Rua XV, o saxofonista anônimo toca blues na noite curitibana, Dalton não sai às ruas, Thor coloca poesias em garrafas e joga ao mar - Alice também escreve poesias no espelho do banheiro - passa baton nos lábios, arruma os cabelos vermelhos, limpa dos olhos as lágrimas e ler as poesias - até se perder dentro de um olhar. Alice já não é mais menina e o espelho diz isso enquanto ela insiste em escrever nos próprios lábios, o nome que tem no coração. Alice olha pela janela e o céu está lá, e o sol e a lua estão juntos - é o Tempo preso dentro do Tempo que faz Alice ficar menina e mulher para sempre.